BUSH: O CAPETA EM FORMA DE GENTE, OU SERÁ O CONTRÁRIO

1 comentários

BUSH AFIRMA TER AUTORIZADO TORTURA E O MUNDO ASSISTE CALADO


Recentemente, assistindo um jornal, passou uma reportagem da já sabíamos, mas a notícia, não deixou de ser estarrecedora pelo fato da admissão dos crimes bárbaros os quais ele afirma ter autorizado.

Estou falando do então presidente dos Estados Unidos da América, país que se diz defensor dos Direitos Humanos (deles norteamericanos), Sr. Geoge W. Bush. Ele afirma em um livro sobre sua vida ter autorizado torturas de prisioneiros em nome da segurança nacional.

Não estou aqui defendo a ação de nenhum terrorista tão pouco fazendo apologia ao crime. Contudo, não se pode admitir que para combater um crime, se cometa crimes tão hediondos quantos aqueles que se buscam coibir.

Enquanto os organismos internacionais de Direitos Humanos e o mundo se calam, suscitamos a questão para que possamos refletir e utilizarmos dessa reflexão em nosso país na hora de escolhermos nossos governantes.

Bush, matou e continua mantando centenas, milhares de pessoas no Iraque em busca de bombas atômicas que nunca foram encontradas, interferindo na soberania de um povo. Matou, torturou e ficou e pelo silenciar de todos, ou quase todos, Bush ficará impune.


É esse tipo de gente que queremos gerindo o destino de uma nação? É esse o mundo que queremos?

ECOS DA MAIS SÓRDIDA DE TODAS AS CAMPANHAS ELEITORAIS: A CAMPANHA DO VALE-TUDO

0 comentários

INTERNAUTAS:

Serra fez campanha fratricida. Irmãos precisam se reunir. manchete do blog Conversa Afiada

Leiamos a análise feita por um jornalista, que não faz parte do PIG, sobre a eleição presidencial. Confira a origem do texto e leia os comentários clicando no título

Da polarização à politização da sociedade


Por Igor Felippe Santos


A eleição de Dilma Rousseff (PT) é uma vitória da sociedade brasileira. E não temos que ter vergonha de comemorar a derrota de José Serra (PSDB), que se tornou símbolo dos setores que se opõem às bandeiras progressistas no país.


A mídia burguesa, os setores conservadores da igreja católica e evangélica, os ruralistas mais truculentos e o imperialismo dos Estados Unidos perderam uma batalha importante com a derrota de Serra.


O tucano fez uma campanha fratricida, lançando mão de boatos, mentiras e ataques aos movimentos sociais (especialmente ao MST), com um corte de extrema-direita, para fazer terrorismo eleitoral. A imagem das mulheres grávidas no horário político de Serra demonstra sua opção pelo chamado “vale tudo”, inclusive jogar sua biografia no lixo.


Por debaixo dos panos, sem a coragem de debater publicamente, a campanha tucana satanizou a descriminalização do aborto e o casamento civil entre homossexuais, que já foram aprovados em países mais avançados. Com isso, os tucanos caíram no colo da Tradição, Família e Propriedade (TFP) e da Opus Dei.


O clima criado pela campanha de Serra, tanto a oficial como a das sombras, causou uma polarização eleitoral, que obrigou os setores mais importantes da sociedade a tomarem partido. Organizações da sociedade civil, entidades de classe, intelectuais, artistas, estudantes, médicos, profissionais liberais, igrejas e a mídia (desde as televisões, passando pelos jornais, até chegar à internet) tiveram que fazer uma opção entre Dilma e Serra. E aqueles que se omitiram, pagarão o preço de ver o trem da história passar nos próximos quatro anos.

Como o e mbate eleitoral teve um nível muito baixo, essa polarização não girou em torno de projetos políticos antagônicos para o Brasil, mas na capacidade dos candidatos de continuarem as linhas gerais do governo Lula. De qualquer forma, dois campos políticos se expressaram de forma clara nessas eleições, contraponto o setor progressista e conservador. Em 2006, por exemplo, o quadro político não ficou tão claro.


Nesse quadro, o grande desafio dos setores progressistas é manter a coesão desse bloco construído em torno de Dilma e politizar as disputas políticas que virão, em torno do programa democrático-popular. Assim, a partir desta eleição, esse campo poderá fazer pressão por mudanças estruturais necessárias para a sociedade brasileira, que garantam educação, saúde, moradia, saneamento básico e terra para os brasileiros.

Embora as políticas públicas nessas áreas sejam muito importantes, não terão forças para solucionar os princ ipais problemas que essa geração do povo brasileiro enfrenta no seu dia a dia. Os direitos sociais da população só estarão garantidos com reformas estruturais, que implicam enfrentar os interesses da classe dominante brasileira e internacional, que quer impor outra agenda ao país.


As forças do neoliberalismo, lideradas pelos bancos, capital financeiro, empresas transnacionais e os grandes meios de comunicação, farão o possível – e impossível, como mostraram na campanha – para impedir qualquer medida progressista do governo federal.


Não podemos ignorar, inclusive, que esses setores têm força e influência dentro da ampla coalizão de forças que venceu a eleição presidencial. Por isso, é fundamental a pressão da sociedade para enfrentar os interesses conservadores, inclusive dentro do que vier a ser o governo Dilma.


Os setores progressistas venceram uma batalha importante com a vitória de Dilma, mas a luta continua , será intensa e dependerá da participação de toda a sociedade brasileira, que precisa se posicionar em relação a cada disputa, enfrentando os interesses dos poderosos para garantir transformações sociais para resolver os problemas do povo brasileiro.


Igor Felippe Santos é jornalista, editor da Página do MST, integrante da Rede de Comunicadores pela Reforma Agrária e do Centro de Estudos Barão de Itararé.

Alguns comentários de leitores:

Flavio Marcio

A derrota do Serra me lembra um filme antigo, em que numa fuga trapalhada, o prisioneiro rasga sua roupa para fazer uma “tereza” derrotado,lamenta: Eu poderia estar humilhado, mas pelo menos vestido.Serra também é um derrotado nú, abriu mão de sua história aliando a setores de ultra direita coma a ópus dei, agora se despede com um até logo, insinuando breve voltar ao poder; mas ,com que roupa? se a única que ele tinha, rasgou para confeccionar a “tereza?

Flavio Marcio

Vamos manter o pé nesta estrada.

Quem teve um papo reto com o povo, dando sua cota de apoio concreto à vitória da companheira, em cada bairro popular, favela, comunidade do interior, local de trabalho, grupo de amigos, na rua, tem que permanecer ligado.

Parabenizar cada popular por esta vitória épica, consolidar a tomada de consciência que ora se fortalece.

Só assim vamos poder manter a ofensiva rumo à democratização da democracia, rompendo os limites que os poderosos quinhentões querem impor ao povo.

E assim vamos virando o mundo em festa, trabalho e pão, desmantelando a distopia neoliberal!

Nota do blog: a charge acima é do Bessinha.Genial. Está no blog Conversa Afiada.

Serra rachou o Brasil para ficar com o pré-sal (charge de Bessinha)

1 comentários


INTERNAUTA
COM O APOIO DA MÍDIA GOLPISTA A INDÚSTRIA DO VESTIBULAR QUER DESQUALIFICAR O ENEM.
Leiam a matéria abaixo
12 de novembro de 2010 às 10:11

Rudá Ricci: Enem sofre ofensiva de interesses ligados à indústria do vestibular

Na avaliação do sociólogo e consultor na área de educação, Rudá Ricci, há uma disputa de política educacional em curso, e é necessário preservar uma avaliação de caráter nacional. “Uma prova nacional permite que o país trace objetivos de política educacional”, defende. Entre os setores interessados economicamente, segundo ele, estão as próprias universidades, que arrecadam em matrículas, os professores que produzem questões fechadas e abertas, e os cursos preparatórios para o vestibular.

por Anselmo Massad, na Rede Brasil Atual, via Carta Maior

São Paulo – O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) sofre uma ofensiva de interesses, segundo o sociólogo e consultor na área de educação Rudá Ricci. Ele enumera grupos e setores do que chama de “indústria do vestibular”, de cursos preparatórios a docentes encarregados de formular as provas. Para ele, há uma disputa de política educacional em curso, e é necessário preservar uma avaliação de caráter nacional.

“Uma prova nacional permite que o país trace objetivos de política educacional”, esclarece. Um vestibular nacional do ponto de vista da aplicação e do conteúdo promove um impacto no ensino médio, de modo a reverter problemas dessa faixa da educação.

Para ele, os vestibulares descentralizados, feitos por cada universidade, provocam danos à educação, já que o ensino médio e mesmo o fundamental direcionam-se às provas, e não à formação em sentido mais amplo. “O ensino médio é o maior problema da educação no Brasil, é o primeiro da lista, com mais evasão, em uma profunda falência”, sustenta.

“O Enem faz questões interdiciplinares, é absolutamente técnico, é super sofisticado”, elogia. Os méritos estariam em privilegiar o raciocínio à memorização de conteúdos. Isso permitiria que o ensino aplicado nas escolas fosse além do preparo para enfrentar provas de uma ou outra universidade.

O Enem traz uma “profunda revolução”, na visão de Rudá, “ao combater profundamente a concepção pedagógica e política de vestibulares por universidade”. Ao se aproximar dessa concepção nacional – fato que aconteceu apenas nos últimos anos –, interesses de grupos educacionais foram colocados em xeque, o que desperta ações contrárias.

Entre os setores interessados economicamente, segundo ele, estão as próprias universidades, que arrecadam em matrículas, os professores que produzem questões fechadas e abertas, e os cursos preparatórios para o vetibular.

Controle social
Ricci critica a postura do ex-ministro da Educação, Paulo Renato, e da ex-secretária de Educação de São Paulo, Maria Helena Guimarães de Castro. O sociólogo taxa os comentários feitos pelos especialistas ligados ao PSDB como “oportunismo”. Isso porque, segundo ele, o uso da prova como seleção e seu caráter nacional, hoje criticados pelos tucanos, foram objetivos perseguidos durante a gestão de Renato na pasta, de 1995 a 2002.

O que ele considera como mudança de postura é resultado da disputa política, que faz com que os estudantes passem a rejeitar o exame. “Os jovens não querem mais essa bagunça. E têm razão”, pontua.

“Existe uma movimentação para politizar esse tema; vamos ter o avanço de uma oposição organizada, que junta as forças políticas que perderam a eleição nacional com escolas particulares, cursinhos que têm muito interesse na manutenção do sistema de vestibular”, avalia.

O sociólogo defende o modelo de exame nacional, mas acredita que a fórmula possa ser aprimorada, seja com mais dias de provas, seja com provas aplicadas a cada ano do ensino médio. Ele aponta ainda que houve um desvirtuamento da proposta interdisciplinar e sofisticada, empregada originalmente, em função da necessidade de expandir a prova. Em 2010, foram 4,6 milhões de inscritos.

Ele acredita que a postura de críticas deve-se às diferenças partidárias. “Estão politizando o Enem, politizando o ingresso na universidade e o conteúdo da prova”, lamenta. “Seria interessante ter um órgão que execute o exame sob controle social, não de governo, nem de empresas”, sugere.

“A solução é nós discurtirmos nacionalmente esse gerenciamento em um modelo como o americano para o vestibular nacional”, defende. O SAT, usado como método de seleção nos Estados Unidos, é aplicado por agentes privados de modo controlado pelo departamento de educação federal. Além de poder ser aplicado em dias diferentes, cartas de recomendação de professores e outros instrumentos também são considerados na seleção por parte de universidades.

RUDÁ RICCI

Sociólogo, Doutor em Ciências Sociais. Coordenador do Instituto Cultiva, Professor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/Brasil e membro do Fórum Brasil do Orçamento

TIRIRICA E PROTÓGENES VÍTIMAS DE UMA MESMA PERSEGUIÇÃO.

0 comentários



INTERNAUTAS
Quem ler a manchete vai se interrogar: Qual a relação entre os percalços sofridos por Protógenes e Tiririca?
Tudo a ver. Na acusação a Tiririca há uma boa dose de discriminação e ranço antinordestino, tão em voga nos dias atuais. Mas esse não foi o móvel principal. Segundo consta, a sua expressiva votação elegeu mais 3 deputados federais incluindo na lista o delegado Protógenes.Na verdade o Delegado Protógenes que teve a ousadia de prender o intocável Daniel Dantas era o alvo do processo contra Tiririca. Por uma certa "coincidência" na noite de ontem foi publicada a notícia da "condenação" de Protógenes e hoje a da vitória de Tiririca na justiça eleitoral. Ele é alfabetizado do ponto de vista eleitoral. Existem neste pais dezenas de vereadores e até deputados menos alfabetizados que Tiririca. Por que só dele cobraram o "teste"?
O alvo da denúncia era o delegado Protógenes. Com a sua condenação, o Tiririca foi beneficiado. "Sublata causa, tollite effectus" diz o bordão jurídico. Não havia mais porque cassar Tiririca. O juiz que condenou Protógenes o fez com muita determinação e praticamente impediu sua diplomação.
Cabe recurso, é verdade. Mas, a audácia imperdoável de Protógenes, compromete os julgamentos futuros.
Triste país este que solta criminosos ricos e condena quem os prendeu!!!
Leiamos as notícias.

Tiririca leu e escreveu em teste, diz TRE-SP

11/11/2010 - 14h56

ALINE PELLEGRINI
DE SÃO PAULO

O deputado federal eleito Francisco Everardo Oliveira Silva (PR-SP), o palhaço Tiririca, passou no teste de leitura e escrita feito nesta quinta-feira pela Justiça Eleitoral.

Segundo o presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo, Walter de Almeira Guilherme, o deputado eleito fez um ditado tirado de um livro editado pelo tribunal: "Justiça Eleitoral, uma retrospectiva".

Tiririca também foi obrigado a ler uma notícia de jornal e teve que fazer uma interpretação do que leu e escreveu.

E agora a outra notícia:

A condenação do delegado Protógenes

10/11/2010 – 14h19
Protógenes é condenado a três anos de prisão por crimes na Operação Satiagraha

da Folha.com

DE SÃO PAULO

O delegado Protógenes Queiroz (PC do B-SP) foi condenado a três anos e onze meses de prisão pela Justiça Federal de São Paulo. Ele é acusado de vazar informações e forjar provas enquanto chefiava a Operação Satiagraha, que condenou o banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity, a 10 anos de prisão por corrupção ativa.

Protógenes irá recorrer da decisão, segundo seu advogado. Ainda que a decisão da Justiça Federal se mantenha, ele não cumprirá a pena na prisão: deverá, em vez disso, prestar serviços à comunidade em hospitais públicos ou privados, prefencialmente uma unidade de auxílio a queimados, de acordo com o processo. Confira a íntegra do processo.

O risco maior é para a carreira política de Protógenes: se instâncias superiores ratificarem a sentença, ele perde o mandato de deputado federal, conquistado nestas eleições, e fica proibido de exercer cargos públicos –inclusive de continuar como delegado da Polícia Federal.

Protógenes deve sua vaga na Câmara dos Deputados ao palhaço Tiririca (PR-SP): com votação maciça de 1,35 milhão de eleitores, o palhaço conseguiu “puxar” três candidatos que não tiveram votos o suficiente para se elegerem sozinhos, entre eles o delegado (dono de quase 95 mil votos).

A sentença foi dada no dia 5 de novembro, pelo juiz Ali Mazloum, da 7ª Vara Criminal Federal em São Paulo, a partir de uma denúncia da Procuradoria da República. A publicação da sentença aconteceu na terça-feira (9).

QUEM É O JUIZ QUE CONDENOU PROTÓGENES

ANA CONCEIÇÃO - Agencia Estado

O juiz federal Ali Mazloum, que enfrenta processo administrativo disciplinar no Tribunal Regional Federal da 3ª Região, disse hoje que sua atuação tem incomodado o Ministério Público, que "se considera, às vezes, acima da lei".

O processo disciplinar que Mazloum enfrenta refere-se a indícios de irregularidades de conduta por conta de uma liminar em habeas-corpus para adiar o julgamento de um médico pelo Conselho Regional de Medicina, em 2002. "Parece que se procura pelo em ovo. Estou tranquilo quanto à decisão", disse. O juiz deveria entrar hoje com uma liminar no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para suspender o processo.

ÓDIO E DISCRIMINAÇÃO XENÓFOBA ESTARRECEM O MUNDO CIVILIZADO

0 comentários


INTERNAUTAS
Não queríamos mais retomar o tema da discriminação contra os nordestinos que estarrece hoje a opinião pública nacional, deixa perplexas todas as pessoas dignas do planeta e afronta a dignidade de tanta gente honesta que, sem lamúrias, ajudou a construir o progresso do país nas lavouras do sul maravilha e nas construções gigantescas do Rio, de Brasília e de São Paulo. A inteligência brasileira destacada por tantos nordestinos está hoje maculada por manifestações geradas pela frustação de uma derrota, e creia-me, instigada pelo ódio disseminado ao longo da campanha por perdedores de mau caráter.
Leiam e meditem sobre este texto que nos foi enviado por um ex-aluno e um amigo muito especial.

Por José Barbosa Junior

A eleição de Dilma Rousseff trouxe à tona, entre muitas outras coisas, o que há de pior no Brasil em relação aos preconceitos. Sejam eles religiosos, partidários, regionais, foram lançados à luz de maneira violenta, sádica e contraditória.

Já escrevi sobre os preconceitos religiosos em outros textos e a cada dia me envergonho mais do povo que se diz evangélico (do qual faço parte) e dos pilantras profissionais de púlpito, como Silas Malafaia, Renê Terra Nova e outros, que se venderam de forma absurda aos seus candidatos. E que fique bem claro: não os cito por terem apoiado o Serra… outros pastores se venderam vergonhosamente para apoiarem a candidata petista. A luta pelo poder ainda é a maior no meio do baixo-evangelicismo brasileiro.

Mas o que me motivou a escrever este texto foi a celeuma causada na internet, que extrapolou a rede mundial de computadores, pelas declarações da paulista, estudante de Direito, Mayara Petruso, alavancada por uma declaração no twitter: “Nordestino não é gente. Faça um favor a SP, mate um nordestino afogado!”.

Infelizmente, Mayara não foi a única. Vários outros “brasileiros” também passaram a agredir os nordestinos, revoltados com o resultado final das eleições, que elegeu a primeira mulher presidentE ou presidentA (sim, fui corrigido por muitos e convencido pelos “amigos” Houaiss e Aurélio) do nosso país.

E fiquei a pensar nas verdades ditas por estes jovens, tão emocionados em suas declarações contra os nordestinos. Eles têm razão!

Os nordestinos devem ficar quietos! Cale a boca, povo do Nordeste!

Que coisas boas vocês têm pra oferecer ao resto do país?

Ou vocês pensam que são os bons só porque deram à literatura brasileira nomes como o do alagoano Graciliano Ramos, dos paraibanos José Lins do Rego e Ariano Suassuna, dos pernambucanos João Cabral de Melo Neto e Manuel Bandeira, ou então dos cearenses José de Alencar e a maravilhosa Rachel de Queiroz?

Só porque o Maranhão nos deu Gonçalves Dias, Aluisio Azevedo, Arthur Azevedo, Ferreira Gullar, José Louzeiro e Josué Montello, e o Ceará nos presenteou com José de Alencar e Patativa do Assaré e a Bahia em seus encantos nos deu como herança Jorge Amado, vocês pensam que podem tudo?

Isso sem falar no humor brasileiro, de quem sugamos de vocês os talentos do genial Chico Anysio, do eterno trapalhão Renato Aragão, de Tom Cavalcante e até mesmo do palhaço Tiririca, que foi eleito o deputado federal mais votado pelos… pasmem… PAULISTAS!!!

E já que está na moda o cinema brasileiro, ainda poderia falar de atores como os cearenses José Wilker, Luiza Tomé, Milton Moraes e Emiliano Queiróz, o inesquecível Dirceu Borboleta, ou ainda do paraibano José Dumont ou de Marco Nanini, pernambucano.

Ah! E ainda os baianos Lázaro Ramos e Wagner Moura, que será eternizado pelo “carioca” Capitão Nascimento, de Tropa de Elite, 1 e 2.

Música? Não, vocês nordestinos não poderiam ter coisa boa a nos oferecer, povo analfabeto e sem cultura…

Ou pensam que teremos que aceitar vocês por causa da aterradora simplicidade e majestade de Luiz Gonzaga, o rei do baião? Ou das lindas canções de Nando Cordel e dos seus conterrâneos pernambucanos Alceu Valença, Dominguinhos, Geraldo Azevedo e Lenine? Isso sem falar nos paraibanos Zé e Elba Ramalho e do cearense Fagner…

E Não poderia deixar de lembrar também da genial família Caymmi e suas melodias doces e baianas a embalar dias e noites repletas de poesia…

Ah! Nordestinos…

Além de tudo isso, vocês ainda resistiram à escravatura? E foi daí que nasceu o mais famoso quilombo, símbolo da resistência dos negros á força opressora do branco que sabe o que é melhor para o nosso país? Por que vocês foram nos dar Zumbi dos Palmares? Só para marcar mais um ponto na sofrida e linda história do seu povo?

Um conselho, pobres nordestinos. Vocês deveriam aprender conosco, povo civilizado do sul e sudeste do Brasil. Nós, sim, temos coisas boas a lhes ensinar.

Por que não aprendem conosco os batidões do funk carioca? Deveriam aprender e ver as suas meninas dançarem até o chão, sendo carinhosamente chamadas de “cachorras”. Além disso, deveriam aprender também muito da poesia estética e musical de Tati Quebra-Barraco, Latino e Kelly Key. Sim, porque melhor que a asa branca bater asas e voar, é ter festa no apê e rolar bundalelê!

Por que não aprendem do pagode gostoso de Netinho de Paula? E ainda poderiam levar suas meninas para “um dia de princesa” (se não apanharem no caminho)! Ou então o rock melódico e poético de Supla! Vocês adorariam!!!

Mas se não quiserem, podemos pedir ao pessoal aqui do lado, do Mato Grosso do Sul, que lhes exporte o sertanejo universitário… coisa da melhor qualidade!

Ah! E sem falar numa coisa que vocês tem que aprender conosco, povo civilizado, branco e intelectualizado: explorar bem o trabalho infantil! Vocês não sabem, mas na verdade não está em jogo se é ou não trabalho infantil (isso pouco vale pra justiça), o que importa mesmo é o QUANTO esse trabalho infantil vai render. Ou vocês não perceberam ainda que suas crianças não podem trabalhar nas plantações, nas roças, etc. porque isso as afasta da escola e é um trabalho horroroso e sujo, mas na verdade, é porque ganha pouco. Bom mesmo é a menina deixar de estudar pra ser modelo e sustentar os pais, ou ser atriz mirim ou cantora e ter a sua vida totalmente modificada, mesmo que não tenha estrutura psicológica pra isso… mas o que importa mesmo é que vão encher o bolso e nunca precisarão de Bolsa-família, daí, é fácil criticar quem precisa!

Minha mensagem então é essa: – Calem a boca, nordestinos!

Calem a boca, porque vocês não precisam se rebaixar e tentar responder a tantos absurdos de gente que não entende o que é, mesmo sendo abandonado por tantos anos pelo próprio país, vocês tirarem tanta beleza e poesia das mãos calejadas e das peles ressecadas de sol a sol.

Calem a boca, e deixem quem não tem nada pra dizer jogar suas palavras ao vento. Não deixem que isso os tire de sua posição majestosa na construção desse povo maravilhoso, de tantas cores, sotaques, religiões e gentes.

Calem a boca, porque a história desse país responderá por si mesma a importância e a contribuição que vocês nos legaram, seja na literatura, na música, nas artes cênicas ou em quaisquer situações em que a força do seu povo falou mais alto e fez valer a máxima do escritor: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte!”

Que o Deus de todos os povos, raças, tribos e nações, os abençoe, queridos irmãos nordestinos!

Nota do blog: cliquem aqui e sobre a imagem acima leiam:

Ví na Folha de São Paulo e estou publicando pra vocês curtirem comigo esta "revanche" bem humorada e uma espécie de consagração contra a discriminação.

Um pichador, desses "imbecilóides" com mais hormônio que neurônio; pichou o muro de uma pensão na Rua Barão de Tatuí, em Santa Cecília, cidade de São Paulo.

XENOFOBIA - Clique no verbete para ler as mensagens nazistas de ódio ao povo do Nordeste.

SIGNIFICADO:

Xenofobia (do grego ξένος, translit. xénos: "estrangeiro"; e φόβος, translit. phóbos: "medo.É o medo irracional, aversão ou a profunda antipatia em relação aos estrangeiros, [2] a desconfiança em relação a pessoas estranhas ao meio daquele que as julga ou que veem de fora do seu país

Xenofobia é comumente associado a aversão a outras raças e culturas. É também associado à fobia em relação a pessoas ou grupos diferentes, com os quais o indivíduo que apresenta a fobia habitualmente não entra em contato ou evita fazê-lo.

AGRESSÃO A NORDESTINOS CAUSA INDIGNAÇÃO

0 comentários


INTERNAUTAS
Vejam até que ponto vai o preconceito da órfã do candidato derrotado cujo nome não mais lembraremos neste blog (para, definitivamente, enviá-lo ao seu lugar: o ostracismo).
Está publicada no Estadão que faz parte da mídia golpista. Clicando no título vocês podem conferir. Causa espécie a todos os cidadãos e a todas as cidadãs deste país. Quem pensa que é essa estudante que pretende ser advogada. Tem sangue azul? Duvidamos!!!

MPF recebe pedido de investigação contra estudante que postou mensagens preconceituosas no Twitter

Após a eleição de Dilma, Mayara Petruso pediu a seus seguidores para fazerem 'um favor a SP': 'mate um nordestino afogado'

05 de novembro de 2010 | 15h 52
Estadão.edu

O Ministério Público Federal de São Paulo (MPF/SP) já está analisando pedido de investigação feito ontem pela Ordem dos Advogados do Brasil de Pernambuco (OAB/PE) contra a estudante de Direito Mayara Petruso. No domingo, após a confirmação da vitória de Dilma Rousseff (PT) como presidente da República, Mayara postou em seu Twitter declarações de que "nordestino não é gente", entre outras mensagens de cunho preconceituoso.

Por causa de suas opiniões, a estudante foi demitida do escritório Peixoto e Cury, onde estagiava, e poderá ser investigada pela procuradora Melissa Garcia Blagitz de Abreu e Silva, da 9ª Vara Federal Criminal da Procuradoria da República de São Paulo. A área técnica de crimes cibernéticos do MPF/SP está preparando material sobre o caso.

No Twitter, Mayara escreveu que "matar um nordestino afogado" seria "um favor a SP" e criticou o programa do governo federal Bolsa-Família. "AFUNDA BRASIL. Deem direito de voto pros nordestinos e afundem o país de quem trabalhava pra sustentar os vagabundos que fazem filho pra ganhar bolsa 171", postou a estudante. Após a repercussão de seus comentários, ela apagou suas contas no serviço de microblogging e no Facebook.

Segundo o presidente da OAB/PE, Henrique Mariano, o fato de Mayara estudar Direito é um agravante. "Queremos que ela responda pelos crimes de racismo, que é imprescritível e inafiançável e incitação pública à prática de ato delituoso, no caso, homicídio, porque ela pede para afogar um nordestino", diz.

Mariano explica que o MPF tem três caminhos a seguir diante do pedido da OAB/PE. "Ele pode indeferir o pedido, realizar alguma diligência que entenda necessária ou então verificar que as provas documentais são suficientes para caracterizar crimes. Ela terá todo direito de defesa, mas nossa preocupação é que haja apuração da responsabilidade. Não só dela, mas houve reverberação de inúmeras pessoas."

Em nota, o escritório de advocacia Peixoto e Cury, no qual Mayara trabalhava, disse que ela não trabalha mais lá. "Com muito pesar e indignação, lamenta a infeliz opinião pessoal emitida, em rede social, pela mesma, da qual apenas tomou conhecimento pela mídia e que veemente é contrário, deixando, assim, ao crivo das autoridades competentes as providências cabíveis."

Nota do blog: Mirem na imagem e observem seu rosto de cínica. Ainda tem um "sociólogo" defendendo a mentecapta. Tá com peninha, leve essa fera para casa.
Clique no link "sociólogo". Vamos lá OAB-Pe impedir que esta sra. seja advogada.
Com certeza ela corre mais risco de ser afogada nas enchentes de São Paulo (ou pelas suas infâmias) que nós nordestinos.
Em tempo: Dilma ganharia mesmo sem a estupenda diferença no nordeste. Os números estão aí.

José de Abreu: 'Melhor ser papagaio de pirata que pirata sem papagaio

0 comentários


INTERNAUTAS
Leiam o que escreveu José de Abreu sobre as provocações que lhe fizeram porque estava no palanque da vitória.
No momento seguinte ao da vitória de Dilma Rousseff na eleição presidencial, um ator quase roubou a cena da nova presidente da República. Todo mundo viu na televisão o primeiro discurso da presidente eleita, e ninguém conseguia entender a presença de José de Abreu no palanque. Daí para a fama de papagaio de pirata, foi um pulo. Aqui, em artigo exclusivo para o blog, José de Abreu conta o que fazia no palanque.

Sobre Piratas, Papagaios, Torturas e Torturados

José de Abreu

"A melhor piada foi do músico Leoni, que me lançou como protagonista do filme 'O Papagaio d'Os Piratas do Caribe'.

E a pior, exatamente de um humorista, o Gregório Duvivier, que lançou meu nome (ainda bem que foi apenas o nome, não eu) para o Ministério da Figuração, logo eu que vivo fazendo novela das oito.

A verdade é que, naquele momento, quando tiraram os outros papagaios do palco e eu ia descer, uma mão firme me segurou, um olhar carinhoso cruzou com o meu e me senti estimulado a ficar. E fiquei.

Eu estava entre amigos, lutadores, como eu, da boa luta. E vitoriosos numa batalha onde golpes baixos eram lançados a toda hora, um aborto na canela, uma homofobia nas partes pudendas, um bispo protetor de pedófilo pisando no dedão... Terrorista, ladra, assassina, era o que se dizia dela, minha companheira de luta contra a ditadura, que de branda nada tinha. E tome machismo, preconceito, baixarias.

Estava feliz e emocionado, a lembrar dos censurados, dos torturados, dos assassinados pelo terror de Estado.

E pensei:
- Melhor ser papagaio de pirata que pirata sem papagaio."